Flamengo mostra existirem maneiras mais eficientes de se jogar

FOLHA DE SÃO PAULO: Por Tostão

No futebol, na política, na economia, no meio ambiente e em tudo o que acontece no mundo, os conceitos, as discussões e as possibilidades são baseadas somente no que pode ser previsto, calculado e programado. Não se pensa e não se planeja levando-se em conta o que não tem controle, mas que pode estar presente, como os dilúvios urbanos, diante da impotência e do desamparo humano. O acaso é também habitual.

Na Copa de 1958, o ponta Zagallo percebeu que o meio-campo era muito grande para apenas dois jogadores. Passou a ser o terceiro, formando um trio, com Zito e Didi. No Mundial de 1962, fez o mesmo. Em 1970, o meia Rivellino exerceu a mesma função de Zagallo, pela esquerda, ao lado de Gérson e Clodoaldo.

Treinador Jorge Jesus - Foto: Alexandre Vidal
Sessenta e dois anos depois da Copa de 1958, a maioria das equipes brasileiras tem o mesmo problema no meio-campo. Joga com dois volantes, três meias e um centroavante. Como os dois jogadores pelos lados costumam atuar encostados à lateral durante toda a partida, e o meia centralizado atua mais à frente, na intermediária do adversário, os dois volantes ficam sobrecarregados, ainda mais que são cobrados para jogar de uma intermediária à outra.

A maioria das equipes sul-americanas apresenta a mesma carência. No torneio sub-23 que definiu as duas seleções que disputarão a Olimpíada –Brasil e Argentina se classificaram–, havia, em todas as partidas, enormes espaços no meio-campo. Na vitória por 3 a 0 sobre a Argentina, o técnico André Jardine mudou o desenho tático e, em vez de três meias, escalou um meia ao lado de cada volante e dois atacantes. Deu certo. O meio-campo ficou mais preenchido, e a equipe ficou mais forte no ataque.

O Corinthians decide hoje uma vaga na fase de grupos da Libertadores, contra o Guaraní, do Paraguai. Tem jogado com dois volantes, um meia centralizado, mais à frente (Luan), e dois atacante pelos lados, colados às laterais. Fica um grande espaço para os dois volantes. Com isso, há pouca aproximação entre os setores, para a troca de passes. Ramiro, pela direita, tem feito falta, pois seria um terceiro jogador de meio-campo, como era no Grêmio.

Todas as principais equipes europeias possuem um trio no meio-campo, formado por um volante centralizado e um meio-campista de cada lado, que marca e avança como meia. Para funcionar bem, os dois meio-campistas, ou pelo menos um dos dois, precisam se infiltrar e finalizar.

No Palmeiras, Luxemburgo, na parte final do último jogo, experimentou o meio-campo com um volante e dois meio-campistas (Zé Rafael e Bruno Henrique). Saiu Lucas Lima. O Cruzeiro de 2003, campeão da tríplice coroa, dirigido por Luxemburgo, também tinha um trio no meio-campo, além de Alex à frente dos três, o que era o mais importante. Não dá para comparar Alex com Lucas Lima. Como Dudu e Willian se movimentam muito, pelos lados e pelo meio, a formação com um trio no meio-campo tem chance de ser a melhor para o Palmeiras.

O São Paulo precisa definir se Hernanes é um meio-campista, formando um trio com Tchê Tchê e Daniel Alves, ou se é um meia à frente dos dois. Daniel Alves tem jogado muito bem no meio-campo. Além da falta de gols, o São Paulo dá muitos espaços para o contra-ataque do adversário.

O Flamengo mostrou que existem maneiras mais eficientes de se jogar. Os outros técnicos de clubes brasileiros nem tentam. Acham que sabem tudo. A soberba deveria ser o oitavo pecado capital.

E os outros técnicos de clubes brasileiros nem tentam. Acham que sabem tudo. A soberba deveria ser o oitavo pecado capital.

Postar um comentário

[facebook]

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget