Presidente do Atlético-MG rasga elogios à gestão do Flamengo

ESPN: Presidente do Atlético-MG, Sérgio Sette Câmara, conversou com a reportagem do ESPN.com.br por quase duas horas e falou sobre quase todos os assuntos que envolvem a equipe alvinegra na temporada.

O mandatário se posicionou sobre a paralisação dos jogos por conta da pandemia de coronavírus e as possíveis alterações que a parada trará nos salários dos atletas. Falou também sobre Jorge Sampaoli, um possível retorno de Roger Guedes, o novo estádio e dois rivais: Cruzeiro e Flamengo.

Foto: Divulgação
Como a parada afeta o clube

"O Mário Bittencourt, presidente do Fluminense, está nos representando junto ao sindicato dos atletas e as entidades de um modo geral, para termos um interlocutor só. Ele é um sujeito muito preparado. Na reunião que tivemos na semana passada, fizemos uma proposta para que se desse, a partir de segunda-feira, 30 dias de férias para os atletas e pagando 50% tanto de CLT, quanto direitos de imagem.

Persistindo essa situação, nós então manteríamos o contrato por mais um mês e aí, eles estariam fora do periodo de férias, se comprometendo a estar treinando em casa, mediante a orientação do nosso pessoal de preparação física. Persistindo por mais 30 dias, aí teriamos que fazer uma suspensão dos contratos. Sem receitas, não teria como continuar pagando folhas que são elevadas. Por menor que seja a folha, proporcionalmente, ela tem o mesmo impacto.

Nesse caso, não tendo retorno dos campeonatos no mês de junho, nossa ideia é de fazer uma suspensão dos contratos, mas isso não implicaria na redução de contratos dos atletas, por exemplo. O contrato terminando em 31 de dezembro, se ele ficar com o contrato suspenso por um ou dois meses, esse contrato seria prorrogado por esse periodo em 2021.

É só um começo, o que está acontecendo no futebol vai acontecer em todas as empresas, no geral. Nós não temos como achar um caminho que não seja do diálogo, do bom senso."

Flamengo imbatível?
"Inegavelmente, o Flamengo disputa as primeiras colocações do Campeonato Brasileiro com o time principal e com o reserva. Tem um fluxo de caixa gigantesco, pelo tamanho que a torcida deles têm e pelo retorno que eles têm da televisão, que é proporcional a isso, e demais receitas", disse Sette Câmara, em bate-papo virtual com o canal ESPN.


"(O Flamengo) Também fez grandes vendas nos últimos anos. Mas lembro que o Flamengo passou uns seis anos fazendo um dever de casa para estar na condição que está hoje. Nós nos espelhamos neles para fazer isso", completou.



Sampaoli
"A gente teve que fazer uma mudança radical para tentar salvar o nosso ano, a ideia do Sampaoli foi a de buscar um treinador que... Ele vinha fazendo um grande trabalho no Santos, mas que também teve eliminações na temporada. Mas ele fez um excelente trabalho, e o Santos só não foi campeão porque o Flamengo ano passado teve uma trajetória completamente fora da curva do que a gente vê nos campeonatos nacionais. Ele conseguiu fazer um trabalho muito bom. E o estilo de jogo. Nós sabemos muito bem que o Atlético sempre teve um estilo de jogo no ataque, ‘Galo Doido’, é aquele Atlético que aperta o adversário, que sufoca, principalmente em casa. E esse é o estilo dele (Sampaoli)."

Roger Guedes
"Olha, acho que o Roger Guedes é uma situação muito interessante, o jogador veio para o Brasil exatamente fugindo do coronavírus na China, mas ele tem contrato lá com salário bem elevado. O time pagou 9,5 milhoes de euros (R$ 52 milhões), e o quadro que se imaginava era o seguinte: vamos manter o jogador aqui pra que ele se mantenha em atividade e, com o Campeonato Chinês parado, claro, encontrar algum clube para que ele esteja perfomando, mas o cenário mudou.

O que estão cogitando é que o Chinês vai voltar e o nosso vai estar parado, aí vai ser complicado de fazer uma contratação desse tamanho, com desembolso elevado. O time pede, mas é um salário pesado que vamos colocar na folha, e a gente não vai ter nenhum tipo de receita, seria até irresponsabilidade da nossa parte fazer esse tipo de coisa. Eu sei que a torcida adora o Roger Guedes. Eu, particularmente, fico muito feliz porque foi uma contratação pessoal minha.

Sempre tive uma relação com o (Alexandre) Mattos, ele é aqui de Belo Horizonte e eu fui e conversei com ele, fizemos alguns empréstimos, uns não foram bem, outros sim, e o Roger teve um início complicado aqui. Chegou-se a cogitar que ele ia pro Bahia, foi quando o Fábio Santos, uma das pessoas que atuou nesse momento falou: "Acho que o garoto tem muito potencial".

Foi quando ele começou a aparecer naquele jogo no Ceará na Copa do Brasil. Ele gosta do Atlético, eu já conversei com ele algumas vezes e falei com ele do quão ele é querido aqui e como ele pode ir ter uma vaga na seleção brasileira, se tiver no futebol brasileiro, que acho difícil ele conseguir na China. Mas tem o lado financeiro, ele olha isso também. Mas hoje, infelizmente, por todos os motivos, do coronavírus, e lá voltando, difícil de o jogador vir para cá. Mas ainda temos uma esperança.

Dívidas
"É mais ou menos assim, você vende o almoço apra comprar o jantar. Nós estamos buscando alternativas para encontrar dinheiro mais barato e procurar nossos credores para tentar um desconto e tentar reduzir nossa dívida.

Dor de cotovelo do eixo Rio-SP? (VÍDEO)


Grama sintética e novo estádio
"Inclusive, conversei com o Alexandre Mattos sobre isso, nesse periodo de quarentena a gente conversa com todo mundo. Conversando, ele falou comigo que talvez ele seja um dos maiores especialistas nessa matéria, porque ele foi pessoalmente olhar na Europa alguns campos, alguns gramados... Existem situações que eu até não sabia. Ele disse que, dependendo do adversário, você pode fazer com que a grama fique mais rápida ou mais lenta, de acordo com um produto que você usa na grama"

Cazares fica?
"Estou deixando por conta do treinador, do Mattos, eles ainda estão analisando o elenco. Ninguém tem posição garantida, ninguém tem garantia que vai permanecer. Não tenho uma resposta imedita para te dar.

Acho que o Cazares é um jogador que, quando ele quer entregar, tem poucos jogadores como ele na posição no Brasil. O problema é que ele vem oscilando em alguns jogos. Alguns jogos jogava excepcionalmente bem, e outros apagava. A gente espera que, na mão do Sampaoli, ele possa perfomar bem e repetir grandes atuações."

Cruzeiro
"Já tive um ódio muito grande, hoje eu só vejo como um mero adversário em campo. Aquela coisa que o torcedor tem, muitas vezes, ela é formada pela magia da adversidade, mas que acho estranho que tenha esse tipo de ódio. Mudei, tenho vários amigos que são cruzeirenses, não dá para imaginar que hoje somos amigos, e amanhã inimigos mortais... Eu quero que eles fiquem na Série B, podem ir para a Série C…"

Ele falou também sobre Jorge Sampaoli, um possível retorno de Roger Guedes, o novo estádio e dois rivais: Cruzeiro e Flamengo.

Postar um comentário

[facebook]

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget