Fusão entre times pode levar Bernardinho ao Flamengo

OLHAR OLÍMPICO: Demétrio Vecchioli

Sete vezes medalhista olímpico, Bernardinho pode ser o comandante da equipe feminina do Flamengo na próxima temporada. A negociação, porém, é muito mais complexa do que uma simples contratação do treinador pelo clube. A discussão, cada vez mais avançada, é de uma fusão, no vôlei, entre o rubro-negro e o atual empregador do técnico.

Oficialmente chamado Rio de Janeiro Voleibol Clube, o time nunca foi chamado assim e ficou conhecido por nomes fantasias como Rexona e Sesc-RJ, dependendo do patrocinador. O CNPJ vem desde 2004, mas a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) considera esse clube o herdeiro do Paraná Voleibol Clube, que ficava em Curitiba e, já bancado pela Unilever, existiu de 1997 a 2003. Na prática, é uma agremiação com 23 anos e 12 títulos brasileiros.

Foto: Divulgação
Independentemente de nome, patrocinador ou sede, o projeto sempre esteve ligado a Bernardinho, que foi encontrando soluções para mantê-lo vivo, como em 2017, quando a Unilever encerrou o patrocínio de vinte anos e o Sesc-RJ passou a ser o patrocinador/mantenedor. Desde o ano passado, porém, o Serviço Social do Comércio vem sofrendo com queda de receitas. Tanto que em fevereiro, antes da crise do coronavírus, anunciou que acabaria com o time masculino adulto, comandado por Giovane Gávio.

No feminino, uma dobradinha com o Flamengo entrou no radar. A parceria vem sendo discutida por Bernardinho com a diretoria rubro-negra, e as conversas vêm evoluindo bem, de acordo com fonte envolvida no negócio. Oficialmente, a assessoria de imprensa do Sesc confirma as conversas, ainda sem definição, e o clube da Gávea não comenta.

Uma fusão assim não seria novidade no vôlei feminino. Em 2018, Sesi-SP e Vôlei Bauru se fundiram para jogarem com um time só, que somava dois orçamentos. O Sesi continuou em evidência na modalidade, gastando menos do que quando investia sozinho, e o Vôlei Bauru deu mais visibilidade aos seus patrocinadores. O Sesi entrou também com sua ótima categoria de base, e o Bauru com a expertise de uma diretoria dedicada unicamente à modalidade.

Com adaptações, a fórmula pode se repetir no Rio de Janeiro. Bernardinho tem expertise de sobra para gerir um projeto de vôlei, algo que o Flamengo ainda está aprendendo - o time disputou a Superliga A pela primeira vez na última temporada. Em troca, o rubro-negro pode oferecer visibilidade maior para patrocinadores e um projeto bem estruturado nas categorias de base, algo que o Sesc não tem. Seria também uma forma de bater de frente contra Minas e Praia Clube, que vêm atropelando o time do treinador em orçamento nos últimos anos.

Para o Flamengo, a temporada de estreia na Superliga A foi de dificuldades. O time fez 22 jogos e só ganhou quatro, escapando por pouco do rebaixamento, na décima colocação. A campanha deu mais dores de cabeça do que alegrias, com derrotas tanto no turno quanto no returno para São Paulo e Fluminense, outros times de camisa. Para mudar esse quadro, só investindo mais no time, o que não é prioridade no momento em meio à crise financeira provocada pela pandemia.

A discussão, cada vez mais avançada, é de uma fusão, no vôlei, entre o rubro-negro e o atual empregador do técnico.

Postar um comentário

[facebook]

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget