Ninguém imaginaria o Flamengo sem Jorge Jesus

GILMAR FERREIRA: A permanência do português Jorge Jesus no Flamengo por mais uma temporada é ótima notícia para o futebol brasileiro.

Que todos, absolutamente todos, aproveitem ao máximo o convívio com um treinador que valoriza a arte do jogo.

E que ele, o carismático JJ, saiba desfrutar a merecida idolatria.

Porque depois de um ano fantástico, com 38 vitórias em 51 jogos e quatro troféus conquistados, todos de âmbito nacional e continental, não há mais suspeitas.

Melhor: não há quem veja uma partida do futebol brasileiro com o olhar de antes.

O jeito de jogar do time do Flamengo nos deu parâmetros para exigir mais dos outros técnicos e alterou nossa tolerância.

Foto: Divulgação
E aqui não vai nenhuma intenção de desmerecer qualquer outro técnico em atividade no país.

Não se trata de régua capaz de medir a eficiência de um ou de outro, quem vence mais e quem perde menos.

Ainda não é nem isso.

Falo da estética do jogo, dos mecanismos de ataque e de defesa e da forma como encara o papel do seu time num embate.

Até porque, após três décadas e meia de jornalismo esportivo, sinto-me confortável para dizer que não se fulaniza o trabalho na formação de times competitivos.

O estilo e o modelo hoje empregados pelo Flamengo têm a assinatura de Jorge Jesus, mas os resultados em campo são de responsabilidade coletiva.

Algo que começa lá no gerenciamento das rotinas e termina no garoto que sobe das categorias de base e faz o gol da vitória numa partida difícil.

Por isso é preciso ter cuidado para não misturar as frequências.

O fato de o treinador português ter conseguido o que conseguiu, nos ofertando um futebol mais bonito e prazeroso, não o torna imune às críticas.

Jorge Jesus também erra, se equivoca, toma decisões discutíveis e às vezes até complica o que nos parece possível.

Existe por trás dele (estruturas física e financeira, matéria-prima, camisa e torcida) um todo que potencializa o que vemos e o que percebemos.

E há que se estar atento a isto.

A pergunta que os torcedores mais me faziam era sobre quanto o Flamengo perderia se a diretoria não renovasse o contrato do técnico que fez do time rubro-negro uma máquina de moer adversários.

Confesso que nunca soube como responder.

Mas achava que ela (a resposta) seria a chave para o acerto de contas entre clube e treinador.

O jeito de jogar do time do Flamengo nos deu parâmetros para exigir mais dos outros técnicos e alterou nossa tolerância.

Postar um comentário

[facebook]

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget